domingo, abril 29

* Travessia




"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos."




"A liberdade é a possibilidade do isolamento. Se te é impossível viver só, nasceste escravo."




"Tudo quanto vive, vive porque muda; muda porque passa; e, porque passa, morre. Tudo quanto vive perpetuamente se torna outra coisa, constantemente se nega, se furta à vida."




"A única maneira de teres sensações novas é construíres-te uma alma nova."





Fernando António Nogueira Pessoa (Lisboa, 13 de Junho de 1888 — Lisboa, 30 de Novembro de 1935), mais conhecido como Fernando Pessoa, foi um poeta e escritor português.

É considerado um dos maiores poetas da Língua Portuguesa, e da Literatura Universal, muitas vezes comparado com Luís de Camões. O crítico literário Harold Bloom considerou a sua obra um "legado da língua portuguesa ao mundo".
Por ter sido educado na África do Sul, para onde foi aos seis anos em virtude do casamento de sua mãe, Pessoa aprendeu perfeitamente o inglês, língua em que escreveu poesia e prosa desde a adolescência. Das quatro obras que publicou em vida, três são na língua inglesa. Fernando Pessoa traduziu várias obras inglesas para português e obras portuguesas (nomeadamente de António Botto e Almada Negreiros) para inglês.


Pra mim, respeitosamente, apaixonadamente, hoje e  sempre,  Pssoua.


* Apesar de você!




Apesar De Você

Chico Buarque

Amanhã vai ser outro dia
Hoje você é quem manda
Falou, tá falado
Não tem discussão, não
A minha gente hoje anda
Falando de lado e olhando pro chão
Viu?
Você que inventou esse Estado
Inventou de inventar
Toda escuridão
Você que inventou o pecado
Esqueceu-se de inventar o perdão

Apesar de você
Amanhã há de ser outro dia
Eu pergunto a você onde vai se esconder
Da enorme euforia?
Como vai proibir
Quando o galo insistir em cantar?
Água nova brotando
E a gente se amando sem parar

Quando chegar o momento
Esse meu sofrimento
Vou cobrar com juros. Juro!
Todo esse amor reprimido
Esse grito contido
Esse samba no escuro

Você que inventou a tristeza
Ora tenha a fineza
De "desinventar"
Você vai pagar, e é dobrado
Cada lágrima rolada
Nesse meu penar

Apesar de você
Amanhã há de ser outro dia
Ainda pago pra ver
O jardim florescer
Qual você não queria

Você vai se amargar
Vendo o dia raiar
Sem lhe pedir licença

E eu vou morrer de rir
E esse dia há de vir
Antes do que você pensa
Apesar de você

Apesar de você
Amanhã há de ser outro dia
Você vai ter que ver
A manhã renascer
E esbanjar poesia

Como vai se explicar
Vendo o céu clarear, de repente
Impunemente?
Como vai abafar
Nosso coro a cantar
Na sua frente
Apesar de você

Apesar de você
Amanhã há de ser outro dia
Você vai se dar mal, etc e tal
La, laiá, la laiá, la laiá

 Amo esse país, amo esse povo, amo a nossa esperança e capacidade de luta, amo a vida, amo a sensibilidade e a inteligência de homens como Chico Buarque, amo o tempo que não para e a natureza que abençoa e cobra o preço por nossas ações


sábado, abril 28

* E é no deserto mesmo que caminho




Pertencer

Um amigo meu, médico, assegurou-me que desde o berço a criança sente o ambiente, a criança quer: nela o ser humano, no berço mesmo, já começou.
Tenho certeza de que no berço a minha primeira vontade foi a de pertencer. Por motivos que aqui não importam, eu de algum modo devia estar sentindo que não pertencia a nada e a ninguém. Nasci de graça.
Se no berço experimentei esta fome humana, ela continua a me acompanhar pela vida afora, como se fosse um destino. A ponto de meu coração se contrair de inveja e desejo quando vejo uma freira: ela pertence a Deus.
Exatamente porque é tão forte em mim a fome de me dar a algo ou a alguém, é que me tornei bastante arisca: tenho medo de revelar de quanto preciso e de como sou pobre. Sou, sim. Muito pobre. Só tenho um corpo e uma alma. E preciso de mais do que isso.
Com o tempo, sobretudo os últimos anos, perdi o jeito de ser gente. Não sei mais como se é. E uma espécie toda nova de "solidão de não pertencer" começou a me invadir como heras num muro.
Se meu desejo mais antigo é o de pertencer, por que então nunca fiz parte de clubes ou de associações? Porque não é isso que eu chamo de pertencer. O que eu queria, e não posso, é por exemplo que tudo o que me viesse de bom de dentro de mim eu pudesse dar àquilo que eu pertenço. Mesmo minhas alegrias, como são solitárias às vezes. E uma alegria solitária pode se tornar patética. É como ficar com um presente todo embrulhado em papel enfeitado de presente nas mãos - e não ter a quem dizer: tome, é seu, abra-o! Não querendo me ver em situações patéticas e, por uma espécie de contenção, evitando o tom de tragédia, raramente embrulho com papel de presente os meus sentimentos.
Pertencer não vem apenas de ser fraca e precisar unir-se a algo ou a alguém mais forte. Muitas vezes a vontade intensa de pertencer vem em mim de minha própria força - eu quero pertencer para que minha força não seja inútil e fortifique uma pessoa ou uma coisa.
Quase consigo me visualizar no berço, quase consigo reproduzir em mim a vaga e no entanto premente sensação de precisar pertencer. Por motivos que nem minha mãe nem meu pai podiam controlar, eu nasci e fiquei apenas: nascida.
No entanto fui preparada para ser dada à luz de um modo tão bonito. Minha mãe já estava doente, e, por uma superstição bastante espalhada, acreditava-se que ter um filho curava uma mulher de uma doença. Então fui deliberadamente criada: com amor e esperança. Só que não curei minha mãe. E sinto até hoje essa carga de culpa: fizeram-me para uma missão determinada e eu falhei. Como se contassem comigo nas trincheiras de uma guerra e eu tivesse desertado. Sei que meus pais me perdoaram por eu ter nascido em vão e tê-los traído na grande esperança.
Mas eu, eu não me perdôo. Quereria que simplesmente se tivesse feito um milagre: eu nascer e curar minha mãe. Então, sim: eu teria pertencido a meu pai e a minha mãe. Eu nem podia confiar a alguém essa espécie de solidão de não pertencer porque, como desertor, eu tinha o segredo da fuga que por vergonha não podia ser conhecido.
A vida me fez de vez em quando pertencer, como se fosse para me dar a medida do que eu perco não pertencendo. E então eu soube: pertencer é viver. Experimentei-o com a sede de quem está no deserto e bebe sôfrego os últimos goles de água de um cantil. E depois a sede volta e é no deserto mesmo que caminho!


(Clarice Lispector)



sexta-feira, abril 27

* OSHO


Não sou uma pessoa religiosa, mas estou num momento de reflexão e foi assim que recebi esse texto que divido com voces.


Ame a si mesmo e observe – hoje, amanhã, sempre? "Ame a si mesmo"...
O amor é o alimento da alma. Assim como a comida é para o corpo, o amor é para a alma. Sem comida o corpo enfraquece, sem amor a alma enfraquece.
....O amor lhe faz rebelde, revolucionário. O amor lhe dá asas para voar alto. O amor lhe dá insight nas coisas, assim ninguém pode lhe enganar, lhe explorar, lhe oprimir.
.... O amor nada sabe de dever. Dever é um fardo, uma formalidade. Amor é uma alegria, um compartilhar; o amor é informal. O amante nunca sente que ele fez o bastante; o amante sempre acha que mais é possível. O amante nunca sente, ‘Eu favoreci o outro’. Pelo contrário, ele sente, ’Devido a que meu amor foi recebido, estou agradecido. O outro me favoreceu por receber meu presente, não o rejeitando’..

...Um homem que ama a si mesmo respeita a si mesmo e um homem que ama e respeita a si próprio respeita os outros também, porque ele sabe, ‘Assim como eu sou, os outros também são. Assim como gosto do amor, respeito, dignidade, os outros também gostam’. Ele se torna cônscio de que não somos diferentes, no que diz respeito ao essencial, nós somos um. Estamos debaixo da mesma lei: Es
dhammo sanantano

O homem que ama a si mesmo desfruta tanto do amor, se torna tão contente, que o amor começa a transbordar, começa a alcançar os outros. Tem que alcançar! Se você vive o amor, você começa a compartilhá-lo. Você não pode continuar a amar a si mesmo para sempre porque uma coisa ficará absolutamente clara para você: que se amando uma pessoa, você mesmo, é um êxtase tão tremendo e tão belo, tanto mais êxtase está esperando por você se você começar a compartilhar seu amor com muitas pessoas!
Lentamente as ondulações começam a se expandir cada vez mais longe. Você ama outras pessoas; então você começa a amar os animais, os pássaros, as árvores, as pedras. Você pode preencher todo o universo com o seu amor. Um simples indivíduo é suficiente para encher todo o universo com amor, assim como um simples seixo pode encher todo o lago de ondulações – um pequeno seixo.

... Digo que esse é um dos mais profundos sutras de Buda, e só uma pessoa desperta pode lhe dar um tal insight.A pessoa que ama a si própria pode facilmente se tornar meditativa, porque meditação significa estar consigo mesmo.
Se você odeia a si mesmo – como você faz, como foi dito a você para fazer, e você tem seguido isso religiosamente – se você odeia a si próprio, como é que você pode ficar consigo mesmo? A meditação não é outra coisa senão desfrutar de sua bela solitude e celebrar a si próprio. Eis o que é toda a meditação.

A meditação não é um relacionamento. O outro não é absolutamente necessário; somos suficientes para nós mesmos. Somos banhados em nossa própria glória, banhados em nossa própria luz. Estamos simplesmente alegres porque estamos vivos, porque somos.
O maior milagre do mundo é que você é e que eu sou. Ser é o maior milagre e a meditação abre as portas desse grande milagre. Mas só o homem que ama a si próprio pode meditar; do contrário você está sempre fugindo de si mesmo, evitando a si mesmo. Quem quer olhar para um rosto feio e quem quer penetrar num ser feio?

Quem quer se aprofundar na própria lama, na própria escuridão? Quem vai querer entrar no inferno que pensam que estão? Você quer manter essa coisa toda coberta com lindas flores e você vai querer sempre fugir de si mesmo.
Desse modo as pessoas estão continuamente procurando companhia. Elas não podem ficar consigo mesmas; elas querem estar com os outros. As pessoas estão buscando qualquer tipo de companhia; se eles puderem evitar a companhia de si próprios qualquer coisa servirá

... O amor começa com você mesmo, assim ele pode se espalhar. Ele vai se espalhando a sua própria maneira; você não precisa fazer nada para espalhá-lo.
Ame a si mesmo... Diz Buda. E então imediatamente ele acrescenta:... e observe. Isso é Meditação, esse é o nome de Buda para a meditação. Mas a primeira condição é amar a si mesmo, e então observe.
... Sócrates diz: Conhece a ti mesmo, Buda diz: Ame a si mesmo. E Buda é muito mais verdadeiro porque a menos que você ame a si próprio você nunca conhecerá a si mesmo – conhecer só vem mais tarde, o amor prepara o terreno. Amar é a possibilidade de conhecer a si mesmo. O amor é a maneira certa de conhecer a si mesmo.

Ame a si mesmo e observe... hoje amanhã, sempre.
Crie energia ao redor de si mesmo. Ame seu corpo e ame sua mente. Ame todo seu mecanismo, todo seu organismo. Por amar significa: aceitar isso como isso é, não tente reprimir. Nós reprimimos somente quando odiamos alguma coisa, reprimimos somente quando somos contra alguma coisa. Não reprima porque se você reprimir como é que você vai observar?
...Se você não for um amante de si mesmo você não será capaz de olhar nos seus próprios olhos, na sua própria face, na sua própria realidade.
Observar é meditação, o nome de Buda para a meditação. Observe, diz Buda. Ele diz: Esteja cônscio, alerta, não fique inconsciente. Não se comporte como que dormindo. Não continue funcionando como uma máquina, como um robô. É assim que as pessoas estão vivendo.
Observe – apenas observe. Buda não diz o que deve ser observado – tudo! Caminhando, observe o seu caminhar. Comendo, observe o seu comer. Tomando banho, observe a água, a água fria caindo sobre você, o toque da água, a frieza, o arrepio que dá na sua espinha – observe tudo, “hoje, amanhã, sempre”.

... Quando você se torna mais alerta você começa a criar asas – então todo o céu lhe pertence. O homem é um encontro da terra com o céu, do corpo e da alma.
Osho, Extraído de: The Way of the Buddha: The Dhammapada



Bom final de semana!

* YAUARETÊ






YAUARETÊ


Senhora do fogo
 Maria Maria
 onça verdadeira me ensina a ser realmente o que sou
 põe a sua lingua na minha ferida, vem contar o que eu fui
 me mostra meu mundo
 quero ser jaguaretê 
Meu parente, minha gente, cadê a família onde eu nasci
 cadê o meu começo, cadê meu destino e fim?
 para que eu estou por aqui? 
Senhora da noite
 senhora da vastidão
 ouvir pegadas e pegar
 seguir a sina de sangrar pra se alimentar
 tem de guerrear, lutar, matar pra sobreviver
 pois assim é a vida 
Quem vem lá?, é onça que já vem comer
 quero ser onça, meu jaguaretê
 quero onçar aqui no meu terreiro
 vou onçar sertão e mundo inteiro
 já está na hora da onça beber o seu
 vou dançar com a lua lá no céu 
Dama de fogo
 Maria Maria
 onça de verdade, quero ter a luz, ouvir o som caçador
 me diz quem sou, me diz quem fui
 me ensina a viver meu destino
 me mostra meu mundo
 quem era que eu sou?




Tive oportunidade de ver Milton Nascimento no palco arena no Memorial da America Latina cantando essa musica, deliciosamente encantador!

Vambóra que um pouco de beleza faz melhor à vida do que um bolo de fubá..rsss




* Por um pouco de beleza....


Gosto de música boa, de gente apaixonada, saudável, feliz, de luaus, de leveza!





Ponho os meus olhos em você
Se você está
Dona dos meus olhos é você
Avião no ar
Um dia pra esses olhos sem te ver
É como chão no mar
Liga o rádio à pilha, a TV
Só pra você escutar
A nova música que eu fiz agora
Lá fora a rua vazia chora?
Pois meus olhos vidram ao te ver
São dois fãs, um par
Pus nos olhos vidros para poder
Melhor te enxergar
Luz dos olhos para anoitecer
É só você se afastar
Pinta os lábios para escrever
A sua boca em minha?
Que a nossa música eu fiz agora
Lá fora a lua irradia a glória
E eu te chamo, eu te peço: Vem!
Diga que você me quer
Porque eu te quero também!
Passo as tardes pensando
Faço as pazes tentando
Te telefonar
Cartazes te procurando
Aeronaves seguem pousando
Sem você desembarcar
Pra eu te dar a mão nessa hora
Levar as malas pro fusca lá fora?
E eu vou guiando
Eu te espero, vem?
Siga onde vão meus pés
Porque eu te sigo também.
E eu te amo!
E eu berro: Vem!
Grita que você me quer
Que eu grito também!
Hei! Hei!?
*(E eu gosto dela
E ela gosta de mim
Eu penso nela
Será que isso não vai ter fim?)



Por tempos de mais beleza, normalidade, felicidade! Pra quem felicidade é fundamental!


O resto sempre será o resto!


Amém!






quarta-feira, abril 25

* Beijos meus e margaridas na janela



Sem gesso no pé e com nova disposição para a vida. Com os erros, se aprende, espero!
Estarei menos presente, tenho muitas providências a tomar, depois de um longo período de letargia e de investimento em inutilidades.
Deixo um beijo e o desejo de reeencontrá-los quando for possível!

Beijos meus e margaridas nas janelas



 

terça-feira, abril 24

* A surpreendente São Tomé das Letras


O povoamento de São Thomé das Letras começou em 1770, quando teve início a construção da capela de São Thomé, por causa de uma misteriosa aparição do santo a um escravo na gruta localizada no centro da cidade. Durante as obras de construção da Igreja, foram encontradas diversas pinturas em tom avermelhado na entrada da gruta. Acreditava-se que estas marcas foram deixadas pelo santo, como prova de sua aparição.   





Historiadores atribuem essas pinturas aos índios Cataguases, antigos habitantes da região, outras pessoas preferem acreditar que foram efetuadas por seres extraterrenos, vindos das estrelas pelo caminho de "Sumé". O nome "Letras" partiu da existência dessas inscrições. 
Atualmente, a grande atração turística de São Thomé das Letras vem de suas cachoeiras, trilhas, grutas e muito misticismo, encontrados nessa cidade no sul de Minas Gerais. O Mirante de Pedras possibilita uma visão aérea de 360º da cidade e um belo vale, na Pirâmide existem diversos relatos da aparição de discos voadores, a Gruta do Carimbado desvenda os mistérios de civilizações e caminhos subterrâneos e acredite: seu carro vai subir sozinho, a Ladeira do Amendoim. De clima agradável o ano inteiro, São Thomé das Letras é um ótimo destino para quem procura programas junto à natureza.


Pirâmide
Uma cidadezinha no alto de uma montanha "nevada", no sul do Estado de Minas Gerais, guarda muitos segredos. São Thomé é pródiga em histórias e belezas naturais que despertam a atenção das mais diferentes pessoas, de místicos a céticos, de ufólogos a trekkings.


    Seus mais antigos moradores parecem não entender o que atrai tantos visitantes e seguem suas vidas despretensiosamente, tentando ser indiferentes ao frenesi dos turistas que chegam de todas as partes, principalmente nos finais de semana e feriados prolongados.
 Visitantes mais insólitos também têm presença garantida dentro deste mosaico que forma a mística São Thomé. Várias aparições de OVNIs e/ou contatos telepáticos, inclusive com intraterrenos, foram experimentados por estudiosos e esotéricos, que buscam na paisagem montanhosa o cenário perfeito para essas manifestações. Para Oriental Luiz Noronha, que estuda o misticismo da região e mora em São Thomé, o pico das aparições se deu em 1982 e 1986. Ele mesmo relata um em livro o contato com extraterrestres, além de ter documentado algumas aparições em fotos e vídeo.




 Muitos grupos esotéricos têm sede em São Thomé das Letras, compartilhando a crença de que a cidade tem uma energia especial e será testemunha de grandes transformações na virada do novo milênio: o advento da era de aquário. De acordo com Ana Branco, da Sociedade Brasileira de Eubiose, por volta de 2005 haverá a manifestação Avatárica. Avatares são seres que trazem ensinamentos importantes, como foi o caso de Buda, Cristo, Maomé, Krishna etc. "São Thomé é um dos sete chacras (pontos de entrada e saída de energia) do planeta, que atualmente estão vibrando em 8 cidades do sul de Minas". Além da Eubiose, existem também outros grupos de estudiosos na região: Fundação Harmonia, Movimento Gnóstico etc.



Há quem diga que é preciso separar o que pode ser verdade daquilo que é pura mentira, imaginação. Esta afirmação parece até lógica a quem nunca visitou a cidade. Aos que voltam ou resolvem ficar nesta pacata cidade resta a pergunta: será que isto é realmente possível em São Thomé das Letras?


 Formações rochosas tomam as formas mais inusitadas- Pedra da  Bruxa.
Conheci São Tomé num mês de agosto de um ano qualquer. Venta muito, tem redemoinho e fala-se muito sobre sacis pererês por lá. Muitos riachos e quedas dágua, sempre muito frias contrastando com o sol muito quente. Edificações surpreendentes, em pedras, por toda a cidade. Destaque para a deliciosa e farta comida mineira, para o aconchego e a tranquilidade do amistoso povo das Minas Gerais.


Somos o que temos a oportunidade de viver e eu sou grata à vida pela oportunidade de ter conhecido lugares tão agradáveis e surpreeendentes, aqui mesmo no Brasil.





segunda-feira, abril 23

* Região dos Lagos - Rio de Janeiro





Em São Pedro d'Aldeia comi os melhores e mais deliciosos abacaxis da minha vida.


Nas ruas, em pequenos caminhões, em outubro, novembro, era fácil comprar muito barato esses pequenos abacaxis, doces, maduros, perfumados. De lá, partíamos para praias distantes, onde passávamos o dia entre um livro, o sol dourado, a laguna extremamente salgada (região de salinas!), e os doces abacaxis de São Pedro D'Aldeia.
Minha praia predileta é uma que fica além da de Sudoeste, dentro de uma propriedade de Roberto Marinho. Quase uma hora de caminhada entre as pedras beirando a laguna e encontrávamos uma praia totalmente deserta, aqui e ali um barco ancorado, nunca se avista ninguém por ali. Um mergulho na transparência daquela água e atraíamos cardumes de pequenos peixes que vinham beliscar a pele.


Sudoeste




Olha só o que é isso à beira da Laguna!



Essa é a praia que fica dentro da propriedade de R. Marinho! Sombra e sossego!



Mas São Pedro tem muitas outras atrações, gente bonita, povo simpático e receptivo, edificações históricas e clima agradável!


Mas tem também a Casa da Flor, que já valeu um post na comparação com as obras de Gaudi,  e muitas outras imagens surpreendentes.

 De lá, com tempo e disposição, tudo é perto, Araruama, Cabo Frio, Buzios, Saquarema, Arraial do Cabo, suas dunas e mar gelado!

Na gastronomia, detalhe para bolinhos de aipim de Dona Maria na praia do Forte, em Cabo Frio, quibe de peixe na entrada da praia Rasa, praia de naturismo, e as batidas, sucos e sorvetes dos ambulantes em Buzios, servidos dentro de meio abacaxi. Em Saquarema, ai que calor!, fica valendo litros e mais litros de água de coco! rsss
Passava férias de trabalho lá, mês inteiro, muitas vezes sozinha, adorava!
Imperdível!

E tem gente que prefere atravessar o país para atasanar a vida dos outros, de licença médica! rsss

Boa semana!


domingo, abril 22

* Cananéia!!!



Cananeia é uma ilha fluvial entre o continente, litoral sul de São Paulo, e a Ilha Comprida.


Fundada em 12 de agosto de 1531 por Martim Afonso de Souza, Cananeia é a primeira cidade do Brasil. A história desse município por onde passava a linha imaginária do Tratado de Tordesilhas que dividia o mundo entre Portugal e Espanha, é recheada de muitas lendas de piratas, tesouros enterrados e batalhas.
Na praça principal da cidade, em seu centro histórico, Cananéia parece um lugar onde o tempo parou.


Dessa época, ainda existem algumas relíquias como a igreja de São João Batista, fundada em 1577. Construída com muros largos e sem janelas, serviu como forte para proteger a cidade das constantes ameaças de invasões. Outras construções preservadas são o obelisco, dois canhões e os argolões de bronze que foram encravados em pedras e que serviam para amarrar as caravelas da expedição de Martim Afonso de Souza.

Casario típico da região

Além do ser um patrimônio histórico cultural, Cananeia se destaca por suas belezas naturais. Tombado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) como patrimônio natural da humanidade e apontado pela revista americana "Condé Nast Traveler" como o melhor roteiro ecológico do mundo, o município é formado por diversas ilhas, como Cardoso, Bom Abrigo, Filhote, Cambriú, Castilho, Figueira, Casca e Pai do Mato. O melhor mirante das ilhas é o Morro São João. Segundo uma lenda local, existe uma sereia do mar encantada que aparece na ponta do morro ao sul da vila.

 Igreja de São João Batista

Além das ilhas, as praias atraem milhares de turistas. Difícil é dizer qual a mais bonita: Pereirinha, Itacuruçá, Ipanema, Cambriú, Bom Abrigo (Farol), Marujá, Fole Pequeno, Foles, Lages, Enseada da Baleia, Pontal do Leste e por aí vai.  Outro local muito visitado é o Parque Estadual da Ilha do Cardoso (PEIC) Núcleo Perequê, com museu, laboratório e aquário; trilhas, morros, costões, cachoeiras, rios, lagoas, piscinas naturais, comunidades caiçaras, farol - ali também está o marco do Tratado de Tordesilhas.  A maior atração, no entanto, são os botos que costumam acompanhar as embarcações e encantar os turistas com seus saltos. Você também ficará encantado com a Baía dos Golfinhos, que fica entre Ilha Comprida, Ilha do Cardoso e Cananeia. Faça um passeio de barco para poder vê-los de perto.

 Nas balsas ou em pequenas embarcações, os visitantes são seguidos por cardumes de botos cinzas.

Cananeia ainda oferece outros roteiros e pontos turísticos que podem e devem ser visitados. Se você gosta de um bom banho de cachoeira, a cidade oferece várias opções, mas é necessário ter bom preparo físico e espírito de aventura. Se você pegar a estrada que liga os bairros Itapitangui ao Ariri, encontrará três cachoeiras: Pitu, Mandira e Rio das Ostras. O acesso é feita por balsa. Você deve acessar estes locais acompanhado por um monitor ambiental que conheça a região e os caminhos das cachoeiras.

Cachoeira do Pitu

Em Cananeia, você ainda poderá conhecer inúmeros sítios arqueológicos, os sambaquis, datados entre seis e quatro mil anos. Sambaquis são montes de conchas que foram acumuladas por muitos anos, não pela natureza, mas por antigos habitantes do local; provavelmente grupo de nômades.

Região de muitos sambaquis

Se você é fascinado pelo mundo aquático, visite o Museu Municipal. Ali está exposto o segundo maior tubarão do mundo, que pesava 3,5 toneladas e foi capturado ao sul da costa litorânea por pescadores locais.


 
Em Cananéia os chalés são muitos, simples e acolhedores



Ah, e os camarões de Cananéia? Por aí além dos camarões da região, existem fazendas da camarão.


Os jacarés da Ilha de Cardoso?



A tranquilidade da Ilha de Cardoso?

Em Cananéia passei grandiosas temporadas e grandes momentos inesquecíveis. É isso que vale a vida, o que é pequeno e sem importância, a gente esquece logo.

Bom domingo!





sábado, abril 21

* Telhado verde! E por que não?




Uma vista aérea da maioria das áreas urbanas apresenta uma variedade de coberturas de asfalto, alcatrão preto e cascalho. O calor irradia de telhados escuros e a água passa pelas superfícies duras e, de preferência, impermeáveis. Ainda assim, existe uma nova tendência que quebra a monotonia dos telhados comuns: as coberturas ecológicas. Há muito tempo populares na Europa, elas começaram a atrair a atenção de proprietários de imóveis, comércios e, até mesmo, de cidades como uma maneira interessante de promover o ambientalismo enquanto resolvem os problemas dos telhados convencionais. Os telhados ecológicos complementam a vegetação tradicional sem atrapalhar a infraestrutura urbana - eles pegam um espaço abandonado e o tornam útil.

Jardim no alto do prédio que serve hoje como Prefeitura da cidade São Paulo.

Esses telhados duram mais do que os convencionais, reduzem os custos de energia com isolamento natural, criam refúgios tranquilos para pessoas e animais e absorvem a água da chuva, diminuindo bastante a necessidade de sistemas de drenagem complexos e caros. Em uma escala mais alta, os telhados ecológicos aumentam a qualidade do ar e ajudam a reduzir o efeito da Ilha de Calor Urbana, um fenômeno em que o crescimento das cidades e dos subúrbios faz que o calor seja absorvido e armazenado. Qualquer um que tenha caminhado por um estacionamento escaldante em um dia quente de verão já sentiu um dos efeitos da Ilha de Calor Urbana.

As camadas de um telhado ecológico precisam, como as de qualquer outro telhado, favorecer a drenagem e proteger a construção dos elementos da natureza por meio de uma membrana à prova d'água. Elas também precisam, no entanto, criar uma área de crescimento e oferecer apoio, irrigação e barreiras para a proteção das raízes, ao mesmo tempo que se mantêm o mais leves possível.



O que faz um telhado ecológico? 

O custo inicial de coberturas ecológicas muitas vezes afasta possíveis clientes. Como o telhado ecológico exige um trabalho profissional, análise estrutural cuidadosa e várias camadas e sistemas, até mesmo, telhados extensivos, geralmente começam com o valor de US$ 88 por m², muito "mais caros" do que US$13,75 por m² para os telhados comuns. Os benefícios e os incentivos, como aqueles apresentados pela cidade de Chicago, estão, porém, estimulando novos projetos de coberturas ecológicas. E, à medida que a indústria norte-americana de telhados ecológicos cresce, os preços diminuem.

Por enquanto, os benefícios econômicos de longo prazo já ultrapassam os custos iniciais. Como os telhados ecológicos protegem a membrana do telhado do clima severo e da radiação ultravioleta (UV), eles podem durar duas vezes mais do que os telhados tradicionais. Os telhados ecológicos também têm uma temperatura superficial bem estável, permanecendo na temperatura do ar ou mais frios, ao passo que os tradicionais podem ficar até 32ºC acima da temperatura do ar. A média de crescimento extra e de vegetação isola a construção das temperaturas intensas e minimiza o ganho de calor. De acordo com um estudo canadense, até mesmo um telhado ecológico de 15 cm de comprimento pode reduzir as demandas de energia no verão em até 75% .





Telhados ecológicos como estes nas Ilhas Faroe (território independente da Dinamarca, Atlântico Norte) podem durar duas vezes mais do que os convencionais.

Esses benefícios estão encorajando proprietários de imóveis, comércios e cidades preocupadas com o meio ambiente a construírem coberturas ecológicas. Esses telhados evitam que a água escoe e que o esgoto transborde. A vegetação e o solo agem como esponjas, absorvendo e filtrando a água que normalmente formaria goteiras e encheria ruas poluídas e sistemas de esgoto sobrecarregados. As plantas do telhado ecológico removem as partículas do ar, produzem oxigênio e oferecem sombra. Elas usam energia calorífica durante a evapotranspiração, um processo natural que resfria o ar à medida que a água evapora das folhas da planta.
A evapotranspiração e a sombra produzidas pelas plantas ajudam a eliminar o efeito da Ilha de Calor Urbana criado pelo excesso de superfícies reflexivas e impermeáveis nas cidades e nos subúrbios. Como as Ilhas de Calor Urbanas elevam a temperatura em áreas urbanas e suburbanas, elas acabam aumentando a demanda por aparelhos de ar-condicionado e iniciam um ciclo de consumo de energia que contribui para o aquecimento global. Se os telhados ecológicos se tornarem uma iniciativa comum nas construções, as cidades podem reduzir os efeitos incômodos das Ilhas de Calor Urbanas.

Telhados clássicos

Os telhados ecológicos e os jardins nos telhados existem há milhares de anos. Os jardins suspensos da Babilônia, uma das sete maravilhas do mundo, usavam um elaborado sistema de irrigação para criar um jardim paradisíaco com terraço ao lado de fora da atual Bagdá. Europeus do norte já escolheram telhados tradicionais de grama como meio de isolar as casas. Hoje em dia, os telhados ecológicos são predominantes ou até obrigatórios em algumas partes da Europa. Na Alemanha, 14% de todos os telhados são ecológicos.


Casa de passarinho com teto verde

Os telhados ecológicos substituem uma infraestrutura pesada por uma que não só é mais eficiente como também é mais bonita e útil. As coberturas ecológicas servem de refúgio para as pessoas que trabalham em escritórios, e são lugares para plantar jardins ou para que as pessoas que moram em prédios possam relaxar. Até mesmo telhados ecológicos que não são acessíveis criam vistas aéreas impressionantes para os vizinhos ao redor e são lugares isolados e seguros para animais selvagens.

(http://ambiente.hsw.uol.com.br/telhado-verde.htm)




Ilustração mostra como seria o centro de São Paulo se fosse usada a cobertura verde.

O que ganhariámos em qualidade do ar? Dá pra sentir o cheirinho de terra molhada de chuva num lugar como esse?

Bom sábado!




sexta-feira, abril 20

* Memorial da resistência - Didatura Militar no Brasil




Nesse prédio, anexo à antiga Estação Ferroviária Julio Prestes, em São Paulo, que encontrei um dos mais comoventes registros da Didatura Militar no Brasil.


No saguão, fotos dos muitos movimentos sociais brasileiros, em particular, das greves dos metalúrgicos de São Bernardo, da prisão da Lula.




Muitos são os documentos, fotos e depoimentos expostos ali.
Das greves, à ata de criação do PT.

 
 







Uma maquete do prédio, e entrando nesse corredor que pode ser visualizado à direita, o mais emocionante da mostra.
Quatro celas preservadas nas suas acomodações originais, ao lado de um corredor que servia eventualmente para o banho de sol dos presos políticos.


 


Inscrições nas paredes, listas de nomes, lamentos, saudades das mulheres, dos filhos, dos seus locais de origem.








 





 



 


   











Na última cela é impossível controlar a emoção, o cheiro da história, a dor, parecem impregnar as paredes. É onde se pode usar fones de ouvidos para ouvir os depoimentos dos que estiveram ali.


A história do Brasil recente não pode mais continuar sendo ignorada!